O grande poder transformador da IoT

Pesquisas apontam que já vivemos em um momento em que a chamada Internet das Coisas (IoT) assumiu um papel indispensável dentro da intricada cadeia produtiva, nos mais variados setores. Ainda que muitas vezes seu uso passe despercebido para grande parte das pessoas, a IoT já está presente no dia a dia de todos, seja em simples ações cotidianas, seja em operações de alta complexidade, em um caminho sem volta. Segundo especialistas, nenhuma outra tecnologia tem maior potencial para transformar negócios a curto prazo.

De acordo com o estudo Mercado Brasileiro de Software e Serviços, da ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) com IDC, o ecossistema de Internet das Coisas deve movimentar em 2019 US$ 9 bilhões, no Brasil, crescendo 20% a cada ano nos próximos três anos. Segundo a Gartner, esta força da IoT vai estimular ainda mais inovação nos negócios durante a próxima década, com o surgimento de novas tecnologias e o aperfeiçoamento de outras. Assim, Segundo seu estudo global Top Strategic IoT Trends and Technologies Through 2023, as empresas que mais dominarem as tendências inovadoras de IoT terão mais oportunidades de liderar seus mercados.

Entre as tendências estratégicas com mais potencial de gerar novos fluxos de receita e novos modelos de negócios para as empresas, destaque para:

Inteligência Artificial (IA)

Segundo a Gartner, este ano de 2019 fechará com um total de 14,2 bilhões de equipamentos conectados, número que dobrará até 2021. Isto significa, sobretudo, produção de dados em volumes cada vez maiores, que precisam ser organizados e interpretados. Saber lidar com essa profusão de dados em tempo real será determinante para o sucesso de qualquer iniciativa. Assim, a Inteligência Artificial e os serviços baseados em plataformas inteligentes serão cada vez mais importantes a muitas situações de IoT.

IoT ética & governança

Quanto mais presente e necessária for a IoT, mais relevo assumirão as questões sociais, legais e éticas ligadas a ela, como, por exemplo, o armazenamento e uso de dados coletados e o direito à privacidade. Os Conselhos de Ética devem cada vez considerar esta área e a forma como isto interfere em suas estratégias corporativas.

De Edge Computing a Arquitetura de Malha Inteligente

A tendência atual em explorar as chamadas “bordas inteligentes”, com maior capacidade de processamento nos próprios dispositivos deve evoluir para um formato ainda mais desestruturado, com sistemas de IoT mais flexíveis e responsivos, em uma malha dinâmica inteligente.

Segurança crescente

Até 2023, combinações de hardware e sistemas operacionais mais confiáveis e seguros farão parte de ambientes de IoT, favorecendo a adoção de soluções inteligentes por um número cada vez maior de empresas.

Novas gerações de sensores e chips

Ao longo dos próximos quarto anos, surgirão novos sensores mais evoluídos, permitindo novas possibilidades de uso, tornando-se cada vez mais acessíveis e ampliando as possibilidades de inovação para os negócios. Proporcionando baixo consumo de energia e novas arquiteturas de Edge Computing, chips suportarão novos recursos e funções de IA embarcadas, em dispositivos de baixo custo, abrindo novas possibilidades para empresas oferecerem serviços inovadores a seus clientes.

Tornar uma empresa mais eficiente e reduzir os custos de operação são objetivos comuns a todas as empresas. As que decidem abraçar a transformação digital têm mais chances de sucesso nessa empreitada. Segundo a KPMG, a Internet das Coisas (IoT) é a ferramenta com mais potencial de modernizar os negócios nos próximos três anos, seguida por inteligência artificial e robótica.

Claro que isso não significa que qualquer empresa deve se apressar para investir em IoT a qualquer modo, pois sua utilidade depende da realidade, área de atuação e objetivos de cada empresa. Porém, é algo que merece prontamente atenção e pesquisa, principalmente para empresas da indústria tradicional, nos mais diversos setores, sempre mais propensas a disrupções. As soluções em IoT podem vir a ser práticas fontes de informação que facilitarão todos os processos de tomada de decisão, com agilidade, flexibilidade e maior probabilidade de acerto.

Fontes: Boston Consulting Group / IDC / ABES / Gartner